Impacto da FDN e do arabinoxilano no desempenho de suínos

December 07, 2021

A fibra dietética recebeu grande atenção na nutrição animal, uma vez que está associada a efeitos importantes de comportamento, bem-estar, digestibilidade e desempenho. Alimentos ricos em fibras, como coprodutos das indústrias de alimentos e biocombustíveis, farelo de trigo (FT), farelo de milho (FM), casca de soja (CS), polpa de beterraba (PB) e grãos secos de destilaria com solúveis (DDGS) – são utilizados em dietas para suínos para reduzir custos. Esses alimentos ricos em fibras geralmente são considerados de baixo valor nutricional devido à menor energia digestiva ou níveis de aminoácidos em comparação com os alimentos concentrados com alto teor de amido ou proteínas (Woyengo et al., 2014). Otimizar o uso desses produtos é muito importante para a sustentabilidade da produção animal.

O impacto da fibra no desempenho animal

A ingestão de um alto teor de fibras geralmente provoca uma redução da taxa de crescimento dos suínos. No entanto, os relatórios obtidos muitas vezes são contraditórios. Uma síntese de estudos internos e publicados foi realizada (Figura 1) e demonstra claramente o efeito prejudicial da fibra avaliada como FDN no consumo e desenvolvimento de leitões e suínos em crescimento.

  • Figura 1. Impacto da fibra dietética (fibra em detergente neutro; FDN) no consumo diário de ração (A)

Dicho resumen demuestra una correlación negativa entre la FDN y el rendimiento. Asimismo, sugiere un efecto pEsta síntese demonstra uma correlação negativa entre FDN e desempenho. Também sugere um efeito prejudicial mais acentuado para suínos adultos em comparação com leitões.

A fibra afeta a digestibilidade de todos os nutrientes

A maioria dos estudos que investiga os efeitos da fibra dietética (FD) sobre digestibilidade dos nutrientes mostrou que a FD reduziu a digestibilidade dos nutrientes (Gutierrez et al., 2014; Urriola e Stein, 2010; Chen et al., 2013; Navarro et al., 2018; Zhao et al., 2019). Um extenso trabalho foi realizado por Le Goff e Noblet (2000). Os autores sugeriram uma redução de 0,9% na digestibilidade de energia bruta por unidades percentuais de FDN para suínos em crescimento. Este valor contrasta com o valor medido para suínos adultos, que foram menos afetados

  • Figura 2. Impacto da fibra em detergente neutro (FDN) em suínos jovens e adultos (Le Goff e Noblet, 2000)

Vários mecanismos foram propostos para explicar o impacto negativo das dietas ricas em fibras na digestão de nutrientes. Nesse contexto, foi relatado que a fibra solúvel aumenta a viscosidade da digesta e, assim, diminui a difusão do substrato e das enzimas no intestino delgado suíno, o que dificulta a digestão e a absorção de nutrientes. Esse processo afeta todos os nutrientes, conforme sugerido na Tabela 1.

  • Tabela 1. Efeito da FDA na digestibilidade do nutriente em trigo, milho e subprodutos associados. De acordo com uma relação A + B * FDA

Os resultados de digestibilidade obtidos em vários produtos das categorias trigo e milho sugerem uma boa correlação entre digestibilidade e fibra insolúvel em detergente ácido (FDA). Os slopes (inclinações) das equações são iguais para matéria seca e matéria orgânica, sendo -3,0 e -3,6 para trigo e milho, respectivamente. A digestibilidade de macro nutrientes (ou seja, gordura bruta, nitrogênio, fibra bruta e energia) segue uma correlação negativa semelhante com FDA. Para o trigo e seus subprodutos, o aumento de 1% na unidade do teor de FDA resulta em uma redução de 1,9% na digestibilidade. Da mesma forma, para o milho e seus subprodutos, o aumento de 1% na unidade do teor de FDA resulta em uma redução de 2,5% na unidade de digestibilidade. Estes resultados demonstram a discrepância do efeito metabólico do FDA de duas famílias de matérias-primas diferentes.

De fibra na nutrição animal à fibra no desenvolvimento de enzimas

A fibra dietética (FD) foi definida pela primeira vez no contexto da medicina humana por Towell et al. (1976) como a “soma de lignina e polissacarídeos que não são digeridos por secreções endógenas do trato digestivo do homem”. Essa definição também é comumente usada para outras espécies animais não ruminantes. Para a produção de ração, a fibra é geralmente uma mistura de vários desses polissacarídeos que possuem diferentes propriedades físico-químicas, juntamente com proporções variáveis ​​do tipo de fibra (McDouglas et al., 1996). Descrições detalhadas e oficiais dos procedimentos analíticos foram publicadas para todos esses parâmetros (Weende, 1850; Goering e Van Soest, 1970; Prosky et al., 1985; Carre e Brioullet, 2006). Esses métodos equilibram desde a análise de fibra alimentar mais exaustiva, a fibra alimentar total (FAT), até a menor fibra bruta (FB). O método da fibra bruta tem sido usado desde meados do século 19 e é baseado na extração sequencial com ácido diluído e solução alcalina. Esses métodos são úteis para a produção de rações. No entanto, outros métodos como NIRS (espectroscopia no infravermelho próximo, PNE da Adisseo) agora podem fornecer outras informações como o cálculo do conteúdo de arabinoxilano (AX) que pode ser de algum interesse quando se trata do uso de enzimas. A Figura 3 sugere a pequena relação entre o teor de FDN e arabinoxilano, o que significa que não é possível prever a quantidade de AX com base na medida de FDN. Além disso, considerando os dados de NIRS, pode haver um potencial para a previsão do efeito da enzima, pois uma relação clara pode ser estabelecida entre a atividade da enzima e composição da fibra.

  • Figura 3. Relação entre FDN da matéria-prima e teor de arabinoxilano

Efeito do arabinoxilano na energia bruta e na digestibilidade de aminoácidos

Os arabinoxilanos (AX) são os PNAs mais representados em cereais comumente usados na alimentação de suínos. A energia digestível e a digestibilidade dos aminoácidos estão altamente correlacionadas com o nível de arabinoxilanos presentes na ração: quanto maior o nível de arabinoxilanos – menor a digestibilidade da energia e dos aminoácidos (Figura 4). Arabinoxilanos são fatores antinutricionais para suínos; eles diminuem a digestibilidade fecal em 1% e a digestibilidade ileal em 0,6% para cada 10 g/kg de AX total.

  • Figura 4. Impacto dos arabinoxilanos na energia bruta e na digestibilidade de aminoácidos

Ref. Adisseo, Cozannet, 2019, Journées de la Recherche Porcine

Conclusão

A FDN e os AX impactam negativamente a digestibilidade geral, a absorção de aminoácidos e a energia digestível em dietas para suínos; e ingredientes de baixo custo como DDGS de milho e farelo de trigo contribuem com mais FDN e AX para a dieta do que cereais puros. A principal forma de aliviar esse impacto negativo, e, ao mesmo tempo reduzir os custos da dieta, é usar uma multicarboidrase. Produtos incluindo xilanases, beta-glucanases, arabinofuranosidases e outras atividades enzimáticas (como Rovabio® Advance) são capazes de quebrar as ligações químicas dos arabinoxilanos e da FDN. Como os conteúdos de FDN e AX não são correlacionados, o uso de AX além da FDN pode trazer informações adicionais. Portanto, formular a ração levando em consideração os níveis de FDN e AX é uma ferramenta importante e deve ser utilizada como parâmetro para equilibrar o impacto negativo de AX e FDN com a atividade enzimática do aditivo multienzimático, garantindo o melhor desempenho econômico.

WordPress Video Lightbox